Turismo em capacidade máxima na ilha

  • Português
  • English
  • Postado em 26 de janeiro, 2012


    Curiosidade sobre reformas atrai estrangeiros

    HAVANA. A julgar pelos números, Cuba foi eleita o destino quente deste verão. O país vem vivendo a melhor temporada turística registrada nas últimas décadas: no ano passado, o número de visitantes estrangeiros chegou a um recorde de 2,7 milhões.

    Mas especialistas acreditam que, considerando o movimento de janeiro, e as reservas para os outros meses, esse número será facilmente superado este ano.

    Entre os novos visitantes, estão turistas europeus que costumam passar férias no Norte da África mas, com a onda de protestos na região, optaram por um local mais seguro.

    Há também um número crescente de visitantes americanos, impulsionados pela política de Barack Obama de facilitar viagens entre os dois países.

    As reformas econômicas adotadas por Raúl Castro também vêm atraindo pessoas do mundo inteiro.

    – Muitas pessoas querem vir pois estão curiosas sobre as mudanças que vêm sendo anunciadas nos jornais, e querem conferi-las in loco – diz um agente de viagem em Havana.

    Quem passeia pela capital não tem dificuldade de constatar o fenômeno: os hotéis estão lotados e bares e restaurantes, cheios de turistas. Em alguns casos, está difícil encontrar vaga em hotel, ou carros para alugar.

    – Estamos na nossa capacidade máxima. Os resorts nas praias, a cidade de Havana, tudo está cheio. No interior do país, também já não há mais vagas – afirmou o gerente de uma rede internacional de hotéis.

    Em Havana, é cada vez mais comum encontrar americanos nas ruas, mas, em geral, eles ficam isolados dos outros turistas. Apesar de agora poderem ir ao país, o governo dos EUA estipula que os americanos façam “tours educativos”, e não recreativos na ilha. Eles passam os dias visitando escolas, museus e fazendas de tabaco, sem direito a muito tempo livre.

    Além do aumento do número de turistas americanos, o país vem concedendo mais vistos a canadenses. A ilha registrou também este ano 20% a mais de turistas franceses do que no ano passado – quando muitos ainda optavam por viajar para os países do Norte da África nessa época.

    A atividade constitui uma importante fonte de divisas para o governo cubano. Em 2011, o país arrecadou cerca de US$ 2,3 bilhões com o setor. Mas o crescimento do turismo – aliado ao aumento do número de cubanos-americanos que passaram a visitar o país depois das mudanças adotadas por Obama – começa a esbarrar na falta de investimento em infraestrutura.

    – Eu acho que 2012 será um ótimo ano – afirmou o chefe de uma agência europeia de turismo em Havana. – Mas tenho dificuldades de ver como vamos organizar e gerenciar tudo isso em 2013 e 2014.

    O Globo/AC