Transporte chega atrasado à Copa

  • Português
  • English
  • Postado em 25 de janeiro, 2012


    Daniel Rittner e André Borges

    A menos de 30 meses da Copa do Mundo de 2014, o atraso na preparação do sistema de transporte das 12 cidades-sedes está perto de se tornar irreversível. Pelo menos 19 obras de mobilidade urbana que deveriam ter avançado entre setembro de 2011 e janeiro de 2012, como previa o último balanço divulgado pelo governo federal, tiveram o cronograma descumprido.

    O retrato do atraso pode ser visto na liberação de apenas R$ 194 milhões dos R$ 5,3 bilhões em empréstimos solicitados por Estados e municípios à Caixa Econômica Federal, maior agente financeiro dos empreendimentos de mobilidade. A maioria deles foi contratada entre julho e dezembro de 2010, mas a baixa qualidade dos projetos é a principal causa para que o desembolso seja inferior a 4% do total planejado.

    Um dos casos emblemáticos é o de Manaus, que se prepara para construir um monotrilho com 20,2 km, ligando o centro aos arredores da Arena da Amazônia. A obra, que já deveria ter começado em novembro, enfrenta uma série de problemas, de irregularidades no projeto básico a dificuldades para obter o licenciamento ambiental.

    Página A12

    Valor Econômico/AC