Startup dos EUA cria PC de US$ 170 com ajuda de moradores de favelas do Rio

  • Português
  • English
  • Postado em 24 de abril, 2015


    Com brasileiros e americanos entre os sócios, a Endless, de São Francisco, nos EUA, desenvolveu “um computador para o mundo inteiro”. Nesta semana, a empresa iniciou uma campanha para lançar globalmente o produto.

    A intenção é oferecer um produto acessível a pessoas de países emergentes que estão à margem da revolução tecnológica atual por não ter dinheiro para comprar ou ter dificuldade de usar um computador. O modelo foi desenvolvido a partir de testes em comunidades como a Rocinha e o Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.

    De acordo com Marcelo Sampaio, carioca que é diretor de expansão da empresa, os testes incluíram principalmente jovens, mas também pessoas idosas e donas de casa que nunca tocaram em um mouse. “Queremos atingir um espectro grande de gente. Se uma senhora entrar no computador, terá algo do interesse dela lá”, explica.

    Com design moderno, o computador da Endless pode ser ligado em televisores comuns e não precisa de conexão à internet para o uso de seus quase cem aplicativos, que incluem o Wikipedia, vídeo-aulas da Khan Academy, criador de currículos, programa de texto, editor de imagem e tocador de música.

    A campanha de arrecadação no site Kickstarter, que tem o objetivo de dar escala global ao produto, já levantou US$ 83 mil de almejados US$ 100 mil, com 28 dias de prazo pela frente.

    Segundo a Endless, o computador deve chegar ao consumidor final a um preço de US$ 169. O objetivo da empresa é fabricar o equipamento no Brasil para poder manter o preço baixo. A previsão de lançamento do computador no País é o primeiro semestre de 2016.

    Antes da chegada do computador, a empresa pretende oferecer de forma gratuita seu software no Brasil a partir de agosto deste ano, com foco no licenciamento para governos usarem o produto na rede pública de ensino.