Rio de Janeiro é o segundo estado em participação no comércio exterior

  • Português
  • English
  • Postado em 11 de agosto, 2015


    MDIC-e-Firjan-promovem-em-maio-no-Rio-de-Janeiro

    O Rio de Janeiro terminou 2014 como o segundo estado em participação no comércio exterior brasileiro, mantendo um saldo comercial positivo. Esse foi a conclusão do  Diagnóstico do Comércio Exterior do Estado do Rio, elaborado pelo Centro Internacional de Negócios do Sistema FIRJAN, foi divulgado na última quinta-feira (06/08). O estudo, feito a cada dois anos, tem o objetivo de traçar o perfil das empresas fluminenses que atuam no Comércio Exterior e mostrar quais os obstáculos internos e externos enfrentados pelos empresários para importar e exportar seus produtos.

    Foram entrevistadas 328 empresas fluminenses, a fim de conhecer suas apreensões, aspirações e necessidades. O objetivo é contribuir para o desenvolvimento de ações que possibilitem melhorias no ambiente de negócios do comércio exterior fluminense nos próximos anos e que colaborem para a internacionalização das empresas do Rio de Janeiro.

    O vice-presidente da Firjan, Carlos Mariani Bitencourt, entregou ao secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Daniel Godinho, uma carta com as principais propostas dos empresários ouvidos pela Federação. “O aperfeiçoamento de propostas é fundamental para a melhoria do ambiente de negócios. Assim, esperamos pela plena implementação do Plano Nacional de Exportações, divulgado recentemente pelo Governo Federal, e com o qual contribuímos bastante com a visão do empresariado”, disse Mariani.

    O secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Daniel Godinho, ressaltou a importância da exportação na atual situação econômica do país. “O comércio exterior será um dos principais temas do Brasil nos próximos anos. Para facilitar o trabalho das empresas, vamos implementar até o fim do ano uma série de medidas que vão tornar os processos mais rápidos e menos burocráticos”, garantiu o secretário.