Rio de Janeiro aumenta vagas para profissionais de TI

  • Português
  • English
  • Postado em 18 de março, 2015


    Impulsionada pela proximidade dos Jogos Olímpicos de 2016, pelo desenvolvimento da indústria de petróleo e gás e pela evolução do setor de serviços, a demanda por profissionais de TI no estado do Rio de Janeiro deve aumentar em 8% em 2015, segundo estudo do Sindicato das Empresas de Informática do Estado do Rio de Janeiro (TI Rio).

    Segundo maior mercado de TI do Brasil, o Rio de Janeiro conta com 3.103 estabelecimentos voltados para o setor, número que cresce a uma média de 6,4% a cada ano. Muitas oportunidades de emprego nessa área estão concentradas em Campos, no Norte Fluminense, que apresentou, entre 2007 e 2013, a maior quantidade de empresas de TI criadas no estado (22,2%), seguido por Macaé e Petrópolis, ambos com 10%. A capital vem em sequência, com 6,3%.

     O presidente do TI Rio, Benito Paret, informa que, nos últimos anos, centenas de empregos desembarcaram no Rio de Janeiro por conta dos investimentos ligados ao pré-sal e à realização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos de 2016. Além disso, existe o setor de serviços e varejo que evolui e quer ganhar competitividade. “Isso gerou uma demanda enorme por profissionais de TI, pois essas empresas precisam estabelecer sistemas e cuidar da segurança da rede”, diz Paret. Hoje, o Rio de Janeiro conta com pouco mais de 49 mil funcionários atuando nesse setor. Um dos pontos fortes do estado são os centros de qualificação de mão de obra para atuar em Tecnologia da Informação.

     Junto com o mercado aquecido, o Rio de Janeiro é considerado um polo de formação de mão de obra qualificada, com um grande número de cursos universitários no estado. De acordo com os dados do TI Rio, a formação de profissionais qualificados no segmento apresentou bom crescimento nos últimos anos. Na comparação entre 2007 e 2013, o número de alunos matriculados em cursos de bacharel/licenciatura em TI passou de 1 mil para 1,5 mil. Já o número de tecnólogos subiu de 2,1 mil para 2,8 mil. Entre 2006 e 2012, por exemplo, a quantidade de cursos de bacharelado cresceu de 74 para 86 no estado. A cadeia produtiva se consolida com os laboratórios e parques tecnológicos que abrigam empresas de TI e absorvem esses profissionais.