Rio de Janeiro atingirá meta de quartos de hotéis para a Olimpíada

  • Português
  • English
  • Postado em 11 de março, 2015


    Foto (Pablo Jacob/Agência O Globo)

     

    Até o fim deste ano o Rio de Janeiro ultrapassará a meta olímpica de oferta de 48 mil acomodações para os Jogos de 2016. Atualmente, a cidade dispõe de cerca de 34 mil – contra 31,7 mil em 2010 – e a previsão é que o Rio tenha 51,1 mil quartos em 2016. . O crescimento entre 2010 e 2016 representará 70 novos hotéis, sete deles de cinco estrelas e 25 de quatro estrelas.

     “Teremos o número de quartos necessário à demanda para os Jogos Rio 2016. Nossa ambição, no entanto, é engajar as empresas do setor de turismo que fizeram esta grande transformação na infraestrutura de turismo da cidade e investiram muitos recursos – redes hoteleiras, entidades de formação e qualificação de mão de obra, os novos concessionários do aeroporto internacional Tom Jobim, as empresas de eventos, companhias aéreas, empresas operadoras de equipamentos turísticos, operadoras de cartões de crédito, redes de shopping centers etc – para articular, conjuntamente, como aproveitar estes ativos, equivalentes aos de cidades como Barcelona – que recebeu em 2014 mais de 7 milhões de turistas internacionais – e manter aquecida a área de negócios e investimentos do Rio!” informa Marcelo Haddad, presidente da Rio Negócios.

    Segundo o subsecretário municipal de Turismo, Philipe Campello, a meta é, após os Jogos, manter a taxa de ocupação das vagas no Rio acima dos 70%. 

    Só este ano, mais de 15 mil novos quartos ficarão prontos na cidade – 10.500 só na Barra da Tijuca. Para o vice-presidente de Hotéis do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes (SindRio), Alexandre Sampaio, a Barra concentrará o turismo de eventos. Outros dois polos hoteleiros serão formados pela Zona Sul, com turismo de lazer, e pelo Centro, com o turismo de negócios.

     

    Alfredo Lopes, presidente da Associação Brasileira de Indústria de Hoteis no Rio (ABIH-RJ), aponta como ponto favorável no aumento da oferta de quartos o grande potencial para atrair mais visitantes para a cidade e aponta como mercados de captação o americano, europeu, asiático e árabe.

     

     

    Fonte: Rio Negócios/O Globo