Reino Unido está mais perto de uma recessão

  • Português
  • English
  • Postado em 26 de janeiro, 2012


    Economia britânica recua 0,2% no 4o- trimestre de 2011, mais do que as previsões, e lança incerteza sobre Europa

    Da Bloomberg News*

    LONDRES. O Reino Unido está à beira da recessão, informou ontem o governo britânico, ao divulgar o desempenho da economia no último trimestre de 2011. Pela primeira vez em um ano, o Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de bens e serviços produzidos pelo país) apresentou retração, encolhendo 0,2%, ante uma alta de 0,6% no trimestre anterior. O resultado aumenta as incertezas sobre a economia europeia. Foi pior do que a contração de 0,1% prevista por economistas e é anunciado um mês depois de o governo britânico ter se oposto à proposta de Alemanha e França de reformulação do tratado fiscal da União Europeia (UE), isolando-se do bloco.

    Se uma nova retração ocorrer no primeiro trimestre do ano, a economia britânica estará diante de uma recessão em “W”, com possíveis reflexos no continente europeu. Segundo o escritório de estatísticas do governo, a greve realizada pelo funcionalismo público em protesto contra o corte de pensões, em 30 de novembro, teve “algum impacto” no resultado do PIB.

    Na terça-feira, o presidente do Banco da Inglaterra, Mervyn King, afirmara que os responsáveis pela política monetária do país poderão elevar os incentivos, caso seja necessário para evitar “uma retração severa”.

    Mas, em sua primeira reunião do ano, os gestores do Banco da Inglaterra decidiram por unanimidade manter a taxa de juros inalterada.

    O Reino Unido, o primeiro país do G-7 a anunciar seu relatório do quarto trimestre do ano passado, pode não ser o único a registrar um recuo. O governo alemão previu uma queda de 0,25% no período, e o Fundo Monetário Internacional (FMI) previu que a zona do euro cairá em recessão. O FMI revisou ainda de 1,6% para 0,6% sua previsão de crescimento da economia britânica em 2012. Já a Ernst & Young previu um recuo do PIB no primeiro trimestre, confirmando uma recessão em “W”.

    “Embora uma recessão técnica (quando a economia se retrai por três trimestres seguidos) não possa ser descartada, há sinais de que a economia está começando, lentamente, a dar a volta por cima”, afirmou em um e-mail Blerina Uruci, economista do Barclays Capital, em Londres.

    “Mesmo assim, com a crise do euro resistindo, a previsão a curto prazo permanece precária.” Decisão de Cameron isolou o país da União Europeia No início de dezembro, o premier britânico, David Cameron, rejeitou a proposta de revisão do tratado da UE – para tentar salvar o euro – alegando que o setor financeiro do país seria prejudicado. A medida, aceita pelos demais países do bloco, acabou isolando o Reino Unido. Na ocasião, Cameron disse no Parlamento britânico que pôs os interesses do país em primeiro lugar, mas foi criticado pela oposição trabalhista, pelo isolamento do país em relação à UE.

    Os dados econômicos do Reino Unido indicam que a produção industrial do país caiu 1,2% no quarto trimestre, com o setor de manufaturados recuando 0,9%, maior queda em mais de dois anos. O setor de construção civil encolheu 0,5%; ao passo que o de serviços se manteve estagnado. Em 2011, o PIB britânico subiu 0,9%, ante uma alta de 2,1% em 2010.

    (*) Com agências internacionais

    O Globo/AC