Pré-sal já responde por 24% da produção da Petrobrás e custo do barril na região cai a menos de US$ 8

  • Português
  • English
  • Postado em 13 de novembro, 2015


    cms-image-000431608

    A Petrobrás tem conseguido alguns avanços importantes no pré-sal. A produção da companhia na região atingiu uma média de 919 mil barris de óleo equivalente por dia nos nove primeiros meses de 2015, representando 24% do total extraído pela estatal. Além disso, a diretora de Exploração e Produção, Solange Guedes, informou que conseguiram chegar a custos inferiores a US$ 8 por barril de óleo equivalente produzido no pré-sal no último trimestre. “Considerando a Petrobrás como um todo, Brasil e exterior, pela primeira vez fechamos um trimestre produzindo a menos de US$11 por barril”, complementou a executiva.

    Os números da companhia mostram que a sua produção no Brasil cresceu 8% no comparativo entre os nove primeiros meses de 2015 e o mesmo período de 2014. Já a produção nacional e no exterior registrou um crescimento de 6% no período, passando de 2 milhões 627 mil barris por dia para 2 milhões 790 mil barris diários.

    Guedes informou ainda que a boa produtividade dos campos no pré-sal fez com que o FPSO Cidade de Mangaratiba – localizado no campo de Lula, na área de Iracema Sul, na Bacia de Santos – atingisse a produção diária de 150 mil barris interligado a apenas cinco poços. Além disso, a estatal conseguiu antecipar em quatro meses a entrada em operação do FPSO Cidade de Itaguaí, em Iracema Norte, assim como uma redução de 16% nos custos de extração nos últimos doze meses, no comparativo entre os três primeiros trimestres de 2015 e o mesmo período de 2014.

    “Temos perseguido números e metas desafiadores, mas que possamos, junto com nossas equipes, entregar e concluir. A expectativa é de que, à medida que avança o pré-sal, avançam as decisões que a gente tomou de redução de custo, e tudo isso vai sendo capturado no resultado”, completou o diretor da área Financeira e de Relações com Investidores, Ivan Monteiro.

    Fonte: Petronotícias