Há nove anos no cargo, Sérgio Machado ainda luta para permanecer à frente da Transpetro

  • Português
  • English
  • Postado em 23 de janeiro, 2012


    EX-SENADOR É A BOLA DA VEZ

    O ex-senador cearense Sergio Machado é a prova viva que o nordestino é acima de tudo um forte. Ele está entrando no seu décimo ano como presidente da Transpetro, a maior empresa de logística e transporte de combustível do país, criada em 1998, que tem um orçamento de vários bilhões de reais para construir navios para a Petrobras.

    Machado foi líder do PSDB no governo de Fernando Henrique Cardoso, entre 1995 e 2001.

    Já no PMDB, disputou e perdeu a eleição para o governo do Ceará, em 2002. Com o apoio de grandes caciques do seu novo partido, como os senadores José Sarney (AP) e Renan Calheiros (AL), Machado vem se equilibrando no cargo, sempre sob fogo cruzado, vindo não só de trincheiras inimigas. O motivo de cobiça são os bilhões que a Transpetro movimenta. Desta vez parece que a sobrevida do ex-senador está chegando ao fim.

    A presidente Dilma Rousseff já pediu que ele fosse avisado que iria deixar o cargo, mas Machado não desiste nunca. Está atuando forte nos bastidores, tentando se manter no cargo. “Nem Ramsés II ficou tanto tento no poder”, ironiza uma fonte com acesso aos gabinetes importantes do Palácio do Planalto. Ele já foi informado que vai sair, não se conformou e ainda tenta se segurar. R.A.

    Brasil Econômico/AC



    Rio Negócios Newsletter

    Cadastre-se e receba mensalmente as principais novidades em seu email

    Quero receber o Newsletter