Graça Foster deve substituir Gabrielli na Petrobras

  • Português
  • English
  • Postado em 22 de janeiro, 2012


    Segundo a Globonews, troca no comando da estatal será feita no próximo dia 13. Atual presidente seguiria carreira política

    A maior empresa do Brasil deve mudar de comando no mês que vem. O atual presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, passará o cargo para a diretora de Gás e Energia, Maria das Graças Foster, no próximo dia 13 de fevereiro, na reunião do Conselho Administrativo da estatal, informou ontem a Globonews. Segundo as informações da emissora, Gabrielli, que está há quase sete anos à frente da companhia petrolífera, deve assumir um cargo no governo Jaques Wagner e, depois, disputar as eleições em 2014 para o governo da Bahia ou para o Senado. O cargo de Graça – como é conhecida -, por sua vez, terá uma “solução interna”, ainda de acordo com a Globonews. Procurada pelo GLOBO, a Petrobras não confirmou a informação.

    A saída de Gabrielli já é alvo de especulações desde o ano passado, por suas aspirações políticas.

    Também era esperada sua substituição por Graça. Isso porque a diretora tem perfil técnico, bem ao gosto da presidente Dilma Rousseff, de quem é amiga. Engenheira química com pós-graduação em engenharia nuclear pela UFRJ, ela é considerada competente, leal a seus superiores, exigente e às vezes pouco afável nas negociações – o que faz com que muitos a vejam como uma pessoa dura. Funcionária de carreira, comandou seu programa de biodiesel da estatal.

    A história de Graça reflete diversos pioneirismos. Ela entrou na estatal como estagiária em 1978 e chegou a ser uma das primeiras mulheres a trabalhar “embarcada” nas plataformas de petróleo em alto- mar. Ela ocupou diversos postos de prestígio na companhia e no setor energético. Esteve à frente, por exemplo, da BR Distribuidora e da Petroquisa.

    Além disso, já esteve na administração federal: foi titular da Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia quando Dilma era a titular da pasta.

    Ali, coordenou o Prominp, programa de qualificação da indústria do petróleo, e o programa de biodiesel do governo.

    Mas foi no retorno à Petrobras – ela voltou para substituir Ildo Sauer na diretoria de Gás – onde se fez mais conhecida e mostrou alguns traços de sua personalidade. Além de estar totalmente envolvida com o desenvolvimento do pré-sal, foi muito combativa na chamada “crise do gás”, quando Brasil e Bolívia divergiram sobre a quantidade e o preço de combustível do país andino que viria para o Brasil.

    Gabrielli assumiu comando da Petrobras em 2005

    Já Gabrielli entrou na Petrobras em 2003, como diretor Financeiro e de Relações com Investidores, por indicação do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na época, sua nomeação causou apreensão no mercado, que considerava seu perfil acadêmico demais para a função. No entanto, Gabrielli conseguiu quebrar a desconfiança dos investidores e assumiu a presidência da Petrobras em julho de 2005, mesmo ano em que ganhou do jornal “New York Times”, o título de “Melhor Executivo de Finanças da América Latina” e o troféu “Equilibrista”, do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef).

    Gabrielli é formado em economia pela Universidade Federal da Bahia e fez doutorado na Universidade de Boston.

    O Globo/AC



    Rio Negócios Newsletter

    Cadastre-se e receba mensalmente as principais novidades em seu email

    Quero receber o Newsletter