Executiva é obcecada pelo cumprimento de metas

  • Português
  • English
  • Postado em 24 de janeiro, 2012


    Maria das Graças Foster, atual diretora de Gás e Energia da Petrobrás, indicada à presidência da estatal

    Funcionários graduados da Petrobrás tinham certeza de que Graça Foster substituiria Gabrielli,mas não tão cedo

    Sergio Torres Sabrina Valle / RIO

    Trabalhadora incansável, antenada com todos os processos relacionados ao setor que dirige e que não costuma delegar poderes com facilidade. Assim é Maria das Graças Foster, na descrição de funcionários da Petrobrás que com ela conviveram nos últimos anos.

    Além disso, a provável futura presidente da companhia é uma executiva obcecada na exigência do cumprimento de ordens e metas, que não costuma dar muita atenção às opiniões contrárias a sua e que trata as pessoas, no dia a dia, com rigidez considerada até excessiva. Se confirmada, Graça Foster será a primeira mulher no comando da maior empresa do País.

    Desde o ano passado, os funcionários mais graduados da Petrobrás tinham convicção de que Graça, como gosta de ser chamada, sucederia a José Sergio Gabrielli. Só não esperavam que fosse logo no primeiro bimestre. Esperavam a substituição para meados de 2012.

    A certeza da escolha da diretora de Gás e Energia se baseava em dois fatores: ela é competente no que faz e desfruta da amizade e confiança da presidente Dilma Rousseff, com quem trabalhou no Ministério de Minas e Energia no primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da S i l v a (2003-2006).

    A convite de Dilma, recém empossada ministra de Minas e Energia, Graça Foster foi, de janeiro de 2003 a setembro de 2005, secretária de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do ministério. As duas se conheceram anos antes, no Rio Grande do Sul, quando Dilma integrou o secretariado da administração do governador Olívio Dutra.

    A hoje presidente era a responsável pela pasta de Energia. Moradora nos primeiros 12 anos de vida na zona norte carioca onde cresceu, nas últimas décadas, o complexo de favelas do morro do Alemão, Graça Foster ingressou na Petrobrás como estagiária em 1978. Fez carreira na empresa. Presidiu a Petroquisa – subsidiária da área de petroquímica – e a BR Distribuidora.

    Trabalhou também na Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil (TBG), em que integra o Conselho de Administração. Assumiu a Diretoria de Gás e Energia da Petrobrás em setembro de 2007. Sua área acumulou lucro de R$ 2,6 bilhões até setembro de 2011. Foi o segundo melhor resultado da estatal após a diretoria de exploração e produção.

    A executiva formou-se em engenharia química pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Fez pós-graduação em engenharia nuclear pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e MBA em economia pela Fundação Getúlio Vargas.

    Em 2010, quando das discussões sobre a composição do ministério da recém-eleita presidente Dilma, Graça Foster chegou a ser cotada para a Casa Civil e para a presidência da Petrobrás.

    Na ocasião foi divulgada informação de que a empresa C. Foster, do marido dela, Colin Foster, a partir de 2007, foi contratada 42 vezes pela Petrobrás, 20 delas sem licitação, para fornecimento de componentes eletrônicos nas áreas de tecnologia, exploração e produção.

    Aliados de Graça Foster alegaram, na época, que ela fora vítima de “fogo amigo”, por parte de petistas interessados em afastá- la da disputa por cargos importantes.

    Informou-se também que a empresa do marido prestava serviços muito especializados, daí a contratação sem a concorrência exigida por lei. O fato é que, após as denúncias, Graça Foster deixou a lista dos favoritos ao primeiro escalão do futuro governo Dilma.

    No mercado de óleo e gás, empresários avaliam que a proximidade e as semelhanças com Dilma darão a Graça Foster força para fazer uma administração mais técnica que política. Entre as características citadas estão a memória para números da empresa e a seriedade.

    Além de amiga, a indicada pelo governo para comandar a Petrobrás é doadora de campanha de Dilma. Segundo dados disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral, Graça Foster doou em 2010 R$ 24 mil para o comitê financeiro nacional do PT para a eleição à Presidência da República. As doações foram feitas em 10 de agosto e 6 de setembro daquele ano.

    Graça Foster colaborou ainda com outra campanha do PT. Ela doou em 1.º de setembro de 2010 R$ 10 mil por meio de transferência eletrônica para o comitê financeiro único do partido no Rio. No dia 28 do mesmo mês, fez outro depósito, no valor de R$ 500, em espécie, na conta da direção estadual do PT. A reportagem procurou a Petrobrás questionando qual o salário da diretora na ocasião e se ela desejava fazer alguma manifestação sobre as doações. Não teve resposta. / COLABOROU MARIANA DURÃO

    O Estado de S. Paulo/AC