Destaques

  • Português
  • English
  • Postado em 17 de janeiro, 2012


    Raízen em Santa Catarina

    A Raízen, joint venture entre Shell e Cosan, anunciou ontem associação com a Mime Distribuidora de Petróleo, de Santa Catarina. A operação marca o retorno do investimento da Raízen no Estado e irá incentivar a concorrência da empresa com os grandes players locais, informou a Raízen em uma nota. Até então, a Raízen detinha uma tímida participação em Santa Catarina. Com a associação, a empresa formada por Raízen e Mime terá uma rede de aproximadamente 270 postos, cerca de 70 lojas e movimentará mais de 700 milhões de litros de combustível.

    Incubadoras da Microsoft

    A Microsoft e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação assinaram ontem um protocolo de intenções para a criação de seis incubadoras de empresas voltadas à inovação na área de tecnologia da informação. Cada incubadora terá até dez startups, escolhidas entre as 2 mil que já recebem apoio da Microsoft. Das seis, quatro serão instaladas em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Salvador e Recife. As áreas de negócios que estão no foco da Microsoft são jogos, telecomunicações, petróleo e gás, saúde e educação. O presidente da Microsoft, Michel Levy, disse que as incubadoras começarão a ser instaladas já no primeiro semestre.

    Pfizer cancela pesquisas

    A farmacêutica americana Pfizer anunciou ontem que vai suspender as pesquisas sobre o desenvolvimento de um medicamento voltado para o tratamento do Mal de Alzheimer. Os estudos estavam sendo feitos em parceira com o laboratório biofarmacêutico Medivation. O Dimebon (latrepirdine) não demonstrou resultado satisfatório em pacientes com grau leve a moderado da doença, quando adicionado em combinação de um tratamento já existente, com o donepezil, segundo comunicado da companhia. As pesquisas já estavam em estágio avançado, na chamada fase 3. Apesar do resultado decepcionante, a companhia informou que deverá se manter empenhada em avançar em pesquisas de inovação nessa área.

    Petróleo em alta

    Os contratos futuros de petróleo subiram ontem, puxados por indicadores econômicos da China e da Alemanha. Investidores também estiveram atentos às notícias sobre possíveis sanções da União Europeia contra o petróleo do Irã. Em Nova York, o contrato do WTI para entrega em fevereiro subiu US$ 2,01, para US$ 100,71, enquanto o vencimento de abril avançou US$ 1,99, fechando a US$ 100,87. Em Londres, o Brent para março registrou alta de US$ 0,19, para US$ 111,53, enquanto o vencimento de abril ganhou US$ 0,26, para US$ 111,44.

    Valor Econômico/AC



    Rio Negócios Newsletter

    Cadastre-se e receba mensalmente as principais novidades em seu email

    Quero receber o Newsletter