Crise europeia traz ameaça para o setor também no Brasil

  • Português
  • English
  • Postado em 27 de janeiro, 2012


    MÁRCIO A. SALVATO

    Cadeia produtiva da construção civil no país tem crescido a taxas elevadas, com participação maior no PIB

    Têm-se falado muito sobre boom imobiliário, programas de alavancagem do crescimento com investimentos em infraestrutura, necessidade de investimentos em arenas esportivas, expansão de crédito para financiamento da casa própria e maior aporte em linhas do BNDES para alavancar o crescimento.

    Essas iniciativas e projetos têm um ponto comum: a construção civil.

    Por isso mesmo, o setor da construção civil tem crescido a taxas elevadas, aumentando sua participação no PIB.

    Dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME-IBGE) mostram que, em dezembro do ano passado, 7,7% da população empregada estava alocada na construção civil.

    De 2003 a 2010 a taxa média de crescimento do PIB brasileiro foi de 4,4% ao ano, enquanto a taxa média de crescimento para esse setor foi de 5,2% ao ano, o que levou a um aumento da participação do setor no PIB de 4,28% para 4,5%.

    Em relação à participação no setor industrial, a construção civil passou de 19,1% para 21,5% no mesmo período. Esse crescimento recente tem levado a uma maior demanda por profissionais da área, pressionando os salários.

    Dados da PME-IBGE mostram que o rendimento médio em dezembro de 2011 foi de R$ 1.467,90, representando um aumento de 13,4% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

    É interessante notar que a construção civil é um setor que sofre bastante em períodos recessivos, porque depende diretamente da disponibilidade de crédito e demanda de investimentos.

    Na crise internacional de 2009, o setor amargou um decrescimento de 0,74%, enquanto o PIB brasileiro encolheu 0,33%.

    Por outro lado, no período de recuperação pós-crise, o setor cresceu à taxa de 11,65%, enquanto a economia brasileira avançou à média de 7,53%.

    Seguindo esse raciocínio, pode-se imaginar que o crescimento do setor também será afetado em 2012 com um possível agravamento da crise da dívida europeia.

    Uma avaliação recorrente sobre o setor é que é muito informal, seja na formalidade da pessoa jurídica, seja na contratação de mão de obra.

    Os dados mostram que isso está mudando. Pela PME-IBGE, o percentual de empregados com carteira assinada no setor passou de 24,8% em dezembro de 2003 para 40,9% em dezembro de 2011.

    Folha de S. Paulo/AC