Coppe-URFJ usará ressonância magnética nuclear em pesquisas de petróleo

  • Português
  • English
  • Postado em 15 de maio, 2015


    Um equipamento de ressonância magnética nuclear, desenvolvido com tecnologia brasileira, será usado para monitoramento e exploração de poços de petróleo pelo Laboratório de Engenharia de Poços e Engenharia Mecânica do Instituto Alberto Luiz Coimbra da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ). A instituição já tem parcerias com a Petrobras, a BR e a Petrogal para a utilização da tecnologia.

    O aparelho Specfit foi inteiramente desenvolvido no Brasil pela empresa Fine Instrument Technology (FIT) e adquirido pelo Programa de Planejamento Energético da Coppe com recursos da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O projeto teve recursos de R$ 1,8 milhão da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, para o desenvolvimento da tecnologia.

    O equipamento será usado no desenvolvimento de aplicações de ressonância para monitoramento e exploração dos poços de petróleo. Segundo o professor Maurício Arouca, coordenador do programa, pela primeira vez serão feitas aplicações de ressonância em laboratório. “Esse é o primeiro [aparelho] feito no Brasil com essa finalidade.”

    Atualmente, existem aplicações de ressonância na exploração de petróleo por uma única empresa no mundo (Schlumberger), mas com instrumentos dentro dos poços. O Laboratório de Engenharia de Poços pretende utilizar o Specfit para trabalhar com empresas que atuam na exploração de petróleo no Brasil. “A ressonância é usada para você conseguir ler o que está acontecendo na rocha. Sabendo o comportamento dela, você pode aplicar determinadas tecnologias para aumentar a produção”, informou Arouca. Ele estimou que o aumento de apenas 1% na produção de um poço de petróleo significa muito valor agregado à operação.

    Fonte: Agência Brasil