Construção inicia 2012 com o pé no freio

  • Português
  • English
  • Postado em 27 de janeiro, 2012


    CAROLINA MATOS

    Atividade da indústria se desacelera pelo 5º mês seguido e expansão de crédito imobiliário deve ser menor neste ano

    Mesmo assim, financiamento de residência deve crescer 30%; no ano passado, aumento chegou a 42%

    O setor de construção civil começa 2012 mais frio, tanto na atividade da indústria

    -obras de infraestrutura, edifícios e serviços relacionados- como no crédito imobiliário residencial.

    Segundo a CNI (Confederação Nacional da Indústria), o nível de atividade da construção, considerando todos os nichos, ficou abaixo dos 50 pontos pelo quinto mês seguido em dezembro de 2011. Resultado menor que 50 pontos significa retração.

    Esse indicador -que terminou o ano passado em 49,1- considera o desempenho da indústria em relação ao esperado em cada mês. Já na comparação com a atividade do mês anterior, o resultado de dezembro de 2011 foi ainda mais fraco: 47,6 pontos.

    A pior situação em dezembro, na comparação com o desempenho esperado para o próprio mês, foi a das empresas de pequeno porte (45,6 pontos). Em relação ao ramo de atividade, é o de obras de infraestrutura que mais tem sofrido: encerrou o ano passado aos 48,4 pontos -e completou 11 meses seguidos abaixo dos 50 pontos.

    Considerando todos os segmentos, o número de empregados caiu em dezembro pelo segundo mês seguido. O indicador ficou em 48 pontos.

    Ainda de acordo com a CNI, a falta de trabalhador qualificado é o principal problema apontado pelos empresários do setor hoje. Em seguida, aparecem a carga tributária elevada e o alto custo de mão de obra.

    Mas, apesar desse cenário, o indicador que mede a confiança do empresariado no mercado subiu de 56,1 em dezembro de 2011 para 59,4 pontos em janeiro de 2012, o que reflete mais otimismo.

    No mercado residencial, as construtoras ajustam o total de lançamentos para evitar “encalhe” e queda de preços.

    “As empresas vão se concentrar neste ano em reduzir custos e apresentar resultados financeiros melhores”, diz Octávio de Lazari Junior, novo presidente da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).

    CRÉDITO

    Depois de manter um crescimento médio acima de 50% nos últimos sete anos, a expansão do crédito imobiliário residencial deve se desacelerar em 2012 para 30%.

    A previsão da Abecip é que a concessão de novos empréstimos para compra da casa própria chegue perto de

    R$ 104 bilhões neste ano.

    Em 2011, houve crescimento de 42,2% e, no ano anterior, de 65,2%. Com exceção de 2009, ano de crise em que a expansão ficou em 13,3%, será a maior freada desde 2004. “Houve um crescimento muito rápido desse crédito. Expansão menor em 2012 é melhor para a sustentabilidade do setor”, diz Lazari.

    Folha de S. Paulo/AC