Com UPPs, Festival do Rio volta às praias e sobe favelas

  • Português
  • English
  • Postado em 19 de janeiro, 2012


    Organização quer aproveitar melhora na segurança da cidade para ampliar projeto de exibição de filmes

    Uma cidade pacificada é também uma cidade com mais espaço para a cultura ao ar livre. O Festival do Rio, uma das mais importantes mostras de cinema do país, promete novidades para sua edição de 2012. A data ainda não foi fechada, mas evento acontece sempre entre outubro e novembro. Embalados pelas conquistas na área de segurança pública do Rio, os organizadores da próxima edição do evento querem levar os projetos de exibição de filmes para a praia e aumentar a presença em comunidades carentes. “Já estamos trabalhando em busca de parcerias para reeditar o Cinema ao Ar Livre, que havia sido deixado de lado nas últimas edições”, afirma Walkiria Barbosa, diretora do Festival do Rio.

    Outra novidade para este ano é a ampliação da presença nas comunidades pacificadas. “No ano passado, realizamos mostras em todas as comunidades que possuíam UPPs. Para este ano estamos programando levar o festival para a Rocinha”, revela Walkiria. “Nós acreditamos que o trabalho de pacificação não pode ser apenas colocar a polícia. É preciso realizar um trabalho social. Nós, da iniciativa privada, precisamos ter um compromisso com esse projeto tão fantástico”, completa.

    Desde 2009, a Prefeitura do Rio, por meio da RioFilme, já investiu R$ 60 milhões em 170 projetos de filmes, festivais, prêmios e difusão. Em 2012, a RioFilme planeja investir mais R$ 25 milhões em projetos de empresas cariocas do setor audiovisual. “Sempre haverá muito por fazer, principalmente numa cidade como o Rio, uma grande metrópole. Mas esse momento é histórico. O programa de revitalização da área portuária é um sonho dos cariocas”, afirma Walkiria.

    Brasil Econômico/AC