Brasil é o primeiro do mundo em empreendedorismo

  • Português
  • English
  • Postado em 30 de março, 2015


     

    O Brasil apresentou a maior taxa de empreendedorismo do mundo. Segundo uma nova pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), em 2014, 34,5% de brasileiros entre 18 e 64 anos eram donos de uma empresa ou estavam envolvidos com a criação de um negócio próprio. Esse índice é quase 8% maior do que o da China, a segundo colocada (26,7%). O número de empreendedores é também superior ao dos Estados Unidos (20%), Reino Unido (17%), Japão (10,5%) e França (8,1%). Entre as economias em desenvolvimento, o país também supera a Índia (10,2%), África do Sul (9,6%) e Rússia (8,6%).

    Para o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, o recorde de empreendedores no Brasil é consequência do aumento do número de formalizações nos últimos anos e da melhoria do ambiente legal, com a criação e ampliação do Supersimples – regime simplificado de cobrança de tributos para empresas com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões. Por esse regime, pequenas e médias empresas têm a cobrança de oito impostos federais, estaduais e municipais reunida num só boleto.Para a maioria dos casos, a carga de impostos é 40% menor do que no regime tributário convencional.

    A pesquisa ainda revela que, de cada 100 brasileiros que começam um negócio próprio, 71 são motivados por uma oportunidade de negócio e não pela necessidade. Barretto diz que esse índice, que implica diretamente na qualidade do empreendedorismo, vem se mantendo estável nos últimos anos. “O empresário atual abre uma empresa porque vê uma oportunidade e investe naquela ideia. Ter uma empresa porque não se tem uma ocupação não é mais o principal fator”, afirma Barretto.

    A pesquisa GEM foi feita no Brasil pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP). O levantamento mundial sobre o empreendedorismo é fruto da parceria entre a London Business School e o Babson College. Começou em 1999 com dez países, mas, desde então, quase 100 países se associaram ao projeto. Em 2014, a pesquisa atingiu 75% da população global e 90% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. No Brasil, foram entrevistadas 10 mil pessoas de 18 a 64 anos das cinco regiões do País. Fonte: Estado de S. Paulo