As 100 personalidades mais influentes de 2012 – OUSADOS

  • Português
  • English
  • Postado em 21 de janeiro, 2012


    Oskar Metsavaht Estilista

    Responsável por exportar o lifestyle carioca para o resto do mundo, o estilista e empresário Oskar Metsavaht é uma das personalidades mais respeitadas da moda nacional. Gaúcho radicado no Rio de Janeiro – e médico de formação -, Metsavaht promete para 2012 expandir ainda mais a atuação de sua grife Osklen em praças internacionais. No fim de 2011, ele inaugurou uma loja em Buenos Aires, na Argentina, e outra em Tóquio, no Japão. Além dos dois novos locais, atualmente a Osklen possui lojas em Miami, Nova York, Roma e Milão. No ano passado o estilista também pôde comemorar uma conquista pessoal. Metsavaht foi nomeado Embaixador da Boa Vontade da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) por seu trabalho à frente do Instituto E, organização que une práticas de sustentabilidade ao universo fashion.

    Eike Batista Empresário

    Os planos do empresário Eike Batista para 2012 se resumem a um só, mas vale por muitos: subir degraus em direção ao topo da pirâmide dos homens mais ricos do planeta. No ranking de milionários de 2011, divulgado pela revista americana “Forbes”, Eike Batista ocupava o oitavo lugar na lista mundial e a primeira posição na relação brasileira. No ano passado, sua fortuna era estimada em US$ 30 bilhões; hoje, gira em torno de US$ 50 bilhões. E, de fato, deve aumentar em 2012, já que algumas de suas novas empresas começam a operar. A OGX, por exemplo, inicia este mês a produção de petróleo na Bacia de Campos e as usinas termelétricas do Ceará e Maranhão, da MPX, começam a operar ainda neste primeiro semestre.

    Beyoncé Cantora

    Nem mesmo o nascimento da filha, Blue Ivy Carter, no sábado 7, em Nova York, nos Estados Unidos, deve tirar a cantora Beyoncé da frente dos holofotes por muito tempo. Na verdade, dois dias após o nascimento da menina, o casal já lançava uma canção, chamada de “Glory”, em homenagem à filha. A música foi colocada na página oficial do marido de Beyoncé, Jay-Z.

    Com 15 anos de carreira, 30 milhões de discos vendidos – um milhão só no Brasil -, ela já declarou que pretende se dedicar à maternidade, é verdade, mas também à divulgação de seu último disco, batizado de “4”. No fim do ano passado, a cantora também surpreendeu e animou os fãs brasileiros ao anunciar, em entrevista, que deseja voltar ao Brasil neste ano. Em 2011, ela esteve por aqui para a realização de cinco shows, todos considerados um sucesso.

    Sakineh Ashtiani Ativista

    Durante quase um ano a Justiça iraniana silenciou sobre Sakineh Mohammadi Ashtiani. Acusada de cumplicidade na morte do marido e de adultério, ela foi sentenciada a dez anos de prisão (homicídio) e à pena de morte por enforcamento ou apedrejamento (adultério). A pressão da sociedade forçou o recuo das autoridades e sua pena foi finalmente suspensa. Para assombro geral, no entanto, em dezembro do ano passado a Justiça voltou atrás e anunciou que a sentença de Sakineh à forca poderá ser mantida. Se a ameaça for cumprida, o Irã assumirá em 2012 mais uma frente de conflito com a comunidade internacional e fortalecerá a imagem de Sakineh, fomentando os movimentos internos de oposição e de direitos humanos.

    Gilberto Kassab Prefeito de São Paulo

    O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, é disputado por partidos da esquerda e da direita para formar palanques nas principais capitais brasileiras. Em menos de um ano, ele fundou o PSD e o transformou em um dos maiores partidos do País. Em seu último ano à frente da capital paulista, Kassab, 51 anos, pretende preparar o terreno para colocar um aliado como próximo chefe do Executivo municipal.

    João Doria Jr. Apresentador de televisão, empresário e publicitário

    Ano após ano, João Doria Jr. amplia sua teia de influências em um movimento que parece não ter fim. Em 2012 não será diferente. À frente do LIDE – Grupo de Líderes Empresariais – com mais de 400 empresas que, juntas, representam cerca de 40% do PIB privado nacional -, ele não só permanecerá como um dos poucos brasileiros ouvidos pela nata do empresariado nacional como poderá aumentar sua influência, com o ingresso de novos membros. Os encontros promovidos por Doria, que reúnem políticos, investidores e até as famílias de empresários, mostram a amplitude de seu espectro de atuação.

    Aldemir Bendine Presidente do Banco do Brasil

    Os resultados alcançados pelo presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, em 2011 foram invejáveis. O BB, sob Bendine, passou ao topo do ranking. Líder em crédito com carteira de R$ 441,6 bilhões em depósitos, com 26,2% do mercado, primeiro lugar no estímulo ao agronegócio e campeão no mercado de câmbio com volume de US$ 23,5 bilhões de exportação e de US$ 12,2 bilhões de importação. Hoje, Bendine tem debaixo de sua alçada a conta bancária de 55 milhões de pessoas. Em 2012, o presidente do Banco do Brasil tem tudo para manter a instituição na linha ascendente.

    André Esteves Banqueiro

    Dono de uma fortuna estimada em R$ 3 bilhões, André Esteves esteve envolvido nos principais negócios fechados no País em 2011. O presidente do BTG Pactual comprou, por exemplo, 37,6% do banco Pan-Americano, do Grupo Silvio Santos, por R$ 450 milhões, e captou R$ 465 milhões com a oferta inicial de ações da holding Brazil Pharma. Promoveu ainda a venda da Schincariol à japonesa Kirim por R$ 4 bilhões, além da abertura de capital da Gerdau, a maior do ano, que atraiu R$ 4,5 bilhões. Em 2012, a atuação de seu grupo deverá ser ainda mais agressiva.

    Cristina Kirchner Presidente da Argentina

    Dona de 53,9% dos votos dos argentinos, a presidente Cristina Kirchner garantiu mais quatro anos na Casa Rosada, o controle do Congresso e o esmagamento de seus opositores. Apesar das dúvidas sobre a altíssima inflação, o Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina teve crescimento real de 94%, quase o dobro da velocidade do avanço brasileiro. O ano de 2012 mal começou e Cristina acirrou a batalha que mantém com os meios de comunicação de seu país com a mesma intensidade com que lutou contra um diagnóstico, posteriormente descartado, de câncer na tireoide.

    Eliana Calmon Corregedora do Conselho Nacional de Justiça

    Ao dizer que o Judiciário abrigava “bandidos de toga”, a corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, lançou luz sobre os bastidores dos tribunais. Após duas liminares do Supremo Tribunal Federal (STF) limitando os poderes de investigação do Conselho Nacional de Justiça, ela começa 2012 com fôlego renovado. Afirmou que continuará atacando o corporativismo no Judiciário e buscando a punição dos maus profissionais, para assim valorizar a maioria dos juízes. As recentes declarações de apoio da sociedade civil indicam que ela não está só nessa trincheira.

    Marcelo Odebrecht Empresário

    Com o País em franco desenvolvimento econômico e estrutural, 2012 será um ano de muito trabalho para Marcelo Odebrecht. Ele é presidente de uma das maiores construtoras brasileiras, que comanda as principais obras para a Copa do Mundo, em 2014, e os Jogos Olímpicos, em 2016, além da revitalização do porto do Rio de Janeiro. A Odebrecht atua na construção da Arena do Corinthians, no Maracanã, na Arena Fonte Nova (Salvador) e na Arena Pernambuco (Recife) – e, assim como todos os envolvidos nos projetos para os dois eventos esportivos, Marcelo tem o grande desafio de entregar as obras dentro do prazo.

    A Odebrecht fechou o ano de 2011 com expectativa de crescimento de 25% e pretende manter o ritmo em 2012.

    Roberto Setubal Presidente do Itaú Unibanco

    Não bastasse o Itaú Unibanco ter obtido o maior lucro líquido da história dos bancos brasileiros – R$ 10,940 bilhões – em 2011, a instituição deve crescer acima de dois dígitos num ano em que os bancos americanos e europeus enfrentam prognósticos delicados. Roberto Setubal, o executivo à frente dessa instituição desde 2008, transformou o Itaú Unibanco num império com valor de mercado superior a US$ 80 bilhões, ultrapassando gigantes como o Bank of America. Em artigo sobre as ambições do banco, o “The New York Times” o classificou como “o banco para se observar de perto em 2012″, e a revista “Euromoney”, especializada em mercado de capitais, elegeu Setubal o banqueiro do ano. Em 2011, o Itaú mostrou a força de sua marca também nas redes sociais. A página da empresa no Facebook conquistou mais de 700 mil fãs.

    Sérgio Amado Publicitário

    Diariamente, o publicitário Sérgio Amado, presidente do Grupo Ogilvy BR, treina corrida, chega à agência por volta das 8 horas e só se desconecta às 22h30, quando desliga o celular. Nesse ritmo, ele conduziu seu grupo à quarta posição (em receita) no ranking internacional da empresa, presente em 138 países, e se associou a Ronaldo Fenômeno para criar a 9ine. Após a Ogilvy BR ter conquistado 11 Leões no Cannes Lions em 2010 e 2011 (agora são 21), em dezembro Amado lançou a David, uma “boutique criativa”. A agência leva o primeiro nome do criador da Ogilvy, uma empresa da gigante WPP. Ele teve ação decisiva na fusão que gerou a Grey 141 Brasil Comunicação e, com a Ogilvy, instalou o terceiro maior centro mundial de produção digital.

    Luiz Carlos Trabuco Presidente do Bradesco

    As expectativas otimistas do Bradesco para este ano, apesar das incertezas da economia global, são um sinal importante para a economia brasileira.

    O Bradesco, sob a presidência de Luiz Carlos Trabuco, acredita que é hora de colher. Em 2011, depois de perder o Banco Postal para o Banco do Brasil, o Bradesco deu seu passo mais ousado, abrindo mais de mil agências em seis meses. Com isso, de janeiro a setembro do ano passado, o lucro líquido do banco foi 18% maior que no mesmo período de 2010, totalizando R$ 8,302 bilhões. Sem planos para novas aquisições por enquanto, o Bradesco quer ser reconhecido pela capilaridade de sua rede de agências, e Trabuco aposta na internacionalização por meio do banco de investimento.

    Angelina Jolie Atriz

    A primeira aventura de Angelina Jolie na direção de cinema, que vem a público neste começo de 2012, não poderia ser de outra forma senão explorando o lado ousado de seu temperamento. “In The Land of Blood and Honey”, que estreia fora dos EUA em fevereiro, mostra em pouco mais de duas horas uma história de amor passada durante a Guerra da Bósnia, caprichando nos detalhes da vida dos personagens que participaram do conflito que deixou cerca de um milhão de refugiados e 200 mil mortos. Nada melhor para a ousada Jolie, que já foi como voluntária acudir doentes na África, que adotou filhos de diversas nacionalidades e tromba de frente com o sistema educacional do capitalismo.

    Revista IstoÉ/AC