Abertura dos EUA estimula produzir álcool no exterior

  • Português
  • English
  • Postado em 27 de janeiro, 2012


    TATIANA FREITAS

    África deve receber investimento de companhias do Brasil, prevê Raízen, associação entre Cosan e Shell

    Para a líder em cana no país, oferta abundante e de diferentes países ajuda a transformar o etanol em commodity

    A abertura dos EUA para o álcool importado estimula investimentos na produção de etanol de cana no exterior. A avaliação é de Luiz Osório, vice-presidente de Relações Externas da Raízen (associação entre Cosan e Shell).

    A África deve ser o destino mais procurado. “Lá existe um corredor ‘duty-free’ (livre de impostos) para exportar para a Europa”, afirmou.

    O aumento do custo de produção no Brasil também incentiva projetos fora do país. “Está ficando caro produzir no Brasil, por conta do preço da terra”, disse à Folha.

    Alguns grupos brasileiros ensaiam a internacionalização. É o caso da Guarani, que no fim de 2011 anunciou acordo com a Petrobras e com a estatal Petróleos de Moçambique (Petromoc) para produzir etanol naquele país.

    A ETH também avalia operar na África e na América Latina e deve encampar uma usina da Odebrecht, sua controladora, em Angola.

    De acordo com Osório, oferta abundante e de diferentes origens é um dos requisitos básicos para a transformação do etanol em commodity.

    “O consumidor internacional quer ter a confiança de que, se amanhã houver um problema de safra no Brasil, haverá outros mercados para suprir a demanda.”

    Produção em larga escala é outra característica de uma commodity, afirmou o executivo. Como hoje o Brasil não consegue produzir nem para o consumo local, a entrada de novos países no mercado ajudaria nesse ponto.

    O último requisito seria demanda firme. Para Osório, a preocupação dos países desenvolvidos em diminuir a dependência do petróleo elevará o consumo de biocombustíveis constantemente.

    A Raízen quer transformar o etanol em commodity global. Mas, segundo Osório, ainda não há projeto concreto de produção no exterior, embora a empresa esteja “atenta às oportunidades”.

    Folha de S. Paulo/AC



    Rio Negócios Newsletter

    Cadastre-se e receba mensalmente as principais novidades em seu email

    Quero receber o Newsletter