30 andares em 15 dias

  • Português
  • English
  • Postado em 21 de janeiro, 2012


    Os chineses batem recorde de velocidade na construção civil ao erguer um hotel de luxo com um método de encaixe de blocos pré-moldados numa estrutura de aço

    ALEXANDRE SALVADOR

    Com os Jogos Olímpicos de Pequim, há quatro anos, os chineses deram provas da eficiência de sua engenharia. Tanto o parque aquático Cubo d’Agua quanto o estádio Ninho de Pássaro se revelaram obras impressionantes. Agora, a engenharia chinesa volta a surpreender, desta vez com espantosos recordes de rapidez nas construções. Na semana passada, a empresa Broad Sustainable Building inaugurou na província de Hunan o T30, um hotel cinco-estrelas com trinta andares e 358 quartos – erguido em apenas quinze dias. Esse é o segundo hotel da empresa feito em tempo recorde. Em 2010, o New Ark Hotel, de quinze andares, foi erguido em apenas seis dias, também na China.

    O segredo da velocidade na construção é que os prédios são feitos com blocos pré-moldados, encaixados numa estrutura de aço. Os 333 blocos do T30, com 60 metros quadrados cada um, foram montados num galpão ao longo de quatro meses. Neles foram encaixados os sistemas hidráulico, elétrico e de refrigeração de cada um dos andares do prédio, além do piso, Os módulos foram transportados por caminhões até o canteiro de obras, erguidos por um enorme guindaste e encaixados nas estruturas metálicas como se fossem peças de um brinquedo Lego. A montagem da estrutura de aço e o encaixe dos módulos dos andares ocorreram de maneira ininterrupta por 360 horas, com três turnos de operários. Não há por que duvidar da resistência do edifício – testes mostraram que ele pode resistir a terremotos de 9 pontos na escala Richter.

    Para os chineses, o T30 funciona como um cartão de visita para vender sua tecnologia de construção a jato para outros países. Ao todo, já foram erguidos doze prédios pelo sistema de encaixe modular, onze na China e um no México. O T30 6 o maior deles. Os prédios dos chineses erguidos em tempo recorde produzem apenas 0,5% do entulho criado pelos métodos convencionais de construção. Além disso, consomem um sexto do material. No T30 foram usadas, por exemplo, 1620 toneladas de concreto. Um prédio comum, do mesmo porte, consome 12000 toneladas. O hotel T30 tem ainda trinta tipos de mecanismo destinados a economizar energia, desde lâmpadas de LED até paredes e janelas com isolamento térmico para refletir a luz do sol, o que permite reduzir o uso de ar-refrigerado no verão.

    Não admira que esse recorde tenha sido batido pelos chineses, que têm pressa em crescer. No Brasil, em quinze dias, não se ergue mais do que meio an dar de um prédio residencial, que demora em média três anos para ser construído Um hotel cinco-estrelas do mesmo por te do T30 leva dois anos. “A velocidade de construção de um prédio no Brasil depende de fatores econômicos”, diz o engenheiro Fernando Henrique Sabbatini, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. “Se há ur gência para que o prédio entre logo em funcionamento para proporcionar retorno financeiro, o investimento na construção é maior e a velocidade da obra se acelera, mas construir em quinze dias é impossível”, ele completa. No Brasil a construção de um prédio como o do hotel T30 também esbarraria nas normas técnicas em vigor. A legislação nacional diz que é necessário instalar barreiras de proteção nos elementos metálicos estruturais, como as vigas, para que, em caso de incêndio, eles não se retorçam e a estrutura do prédio seja comprometida. Se a mesma lei fosse aplicada na China, levaria quase um ano para encasular a estrutura metálica do T30. “No Brasil, em quinze dias, o prédio nem teria saído do papel. O que atrapalha a construção civil brasileira são a falta de planejamento e os empecilhos da parte burocrática”, acrescenta o arquiteto e urbanista Jaime Lerner ex-governador do Paraná.

    Revista Veja/AC